fbpx

Como montar um consultório de Cardiologia

Muitos profissionais da saúde, inclusive cardiologistas, sonham em ter seu próprio consultório, para melhor atender seus pacientes, ter mais autonomia e uma boa oportunidade para se destacar em sua especialidade médica.

Mas… infelizmente, os cursos de Medicina não oferecem disciplinas de gestão e administração, e abrir um consultório não é tarefa das mais simples.

Porém, se está decidido a montar seu próprio consultório, saiba que então deixará de ser apenas um médico, para ser um médico empreendedor e, como tal, se envolver com questões legais e burocráticas, além de precisar de muita dedicação e planejamento.

Justamente, para facilitar todo esse processo, elaboramos um passo a passo detalhado com tudo o que precisa saber para poder abrir seu próprio consultório de cardiologia. Confira!

Cardiologia

A cardiologia é um ramo da medicina responsável por estudar, cuidar e tratar o coração e os vasos sanguíneos, ou seja, cuida do coração e do sistema circulatório.

Muita gente não sabe, mas as doenças cardiovasculares são as principais causas de mortes no mundo, segundo a Organização Pan Americana de Saúde, 31% das mortes em nível global são causadas por doenças cardiovasculares.

Esses dados só demonstram o quanto precisamos de consultórios de cardiologia focados em entregar um ótimo atendimento.

Porém, montar um consultório significa muito mais do que estar capacitado para atender os pacientes, pois é preciso investir tempo e dinheiro, contar com ferramentas modernas e efetivas que ajudem no acompanhamento dos pacientes.

E não é só isso, ainda existem leis, éticas, normas e outras tantas burocracias que devem ser seguidas para conseguir ter seu próprio consultório.

Mas calma, mostraremos agora os principais passos para que você possa montar o seu consultório de cardiologia.

Passo a passo para abrir seu consultório de Cardiologia

consultório de Cardiologia

Atualmente, em um mercado tão concorrido como o da medicina, se pretende se destacar em sua especialidade, não basta apenas ser um excelente médico, é preciso também ser um ótimo administrador, assim como, saber divulgar seu diferencial, e é nisso que iremos lhe ajudar agora.

Quer montar seu consultório de cardiologia e ter seu próprio local de trabalho? Então, confira esse passo a passo!

1. Escolha a localização adequada

localização escritório de cardiologia

O que para alguns pode parecer besteira, na verdade, pode ser  determinante para o sucesso de seu consultório: a escolha do local. É preciso considerar alguns fatores, tais como: seu público-alvo, se possui estacionamento, se é de fácil acesso.

Se pretende fidelizar pacientes que atende através de convênio, a dica, então, é procurar montar seu consultório perto de postos de saúde, de grandes centros urbanos.

Mas, se o que pretende é atrair pacientes particulares, a dica, nesse caso,  é focar em regiões frequentadas pelas classes A e B.

No mais, só não deixe de considerar se há outros consultórios, ou clínicas, com o mesmo perfil, instalados na região, já que isso pode ser um sinal de que sua especialidade já está sendo oferecida de forma suficiente na região.

2. Acerte na escolha do imóvel

Tanto quanto escolher uma boa localização, é preciso também acertar na escolha do imóvel, até porque sua estrutura é um dos investimentos que normalmente mais pesam na hora de abrir seu negócio (SM, isso é um negóco).

Basicamente, a estrutura do imóvel deve abrigar um espaço para a uma recepção, ter banheiros, e, dependendo do que pretende oferecer, mais de uma sala de atendimento.

De preferência, a dica é escolher um imóvel que permita criar espaços como uma copa, para sua equipe de colaboradores.

É muito importante, também, que não esqueça de garantir acessibilidade, inclusive para pessoas com deficiências, idosos, entre outros, muitos médicos esquecem desse detalhe (que pode fazer toda a diferença) e acabam alugando espaços em prédios antigos que, muitas vezes, nem elevador oferecem.

No mais, se certifique de que a estrutura do imóvel esteja seguindo as normas exigidas pelos órgãos regularizadores como a Anvisa.

3. Defina a categoria do seu atendimento

Para quem não sabe, a ANS (Agência Nacional de Saúde) divide os estabelecimentos médicos em 54 categorias, por isso, é preciso saber em qual delas irá atuar para poder abrir seu consultório.

Confira abaixo quais as 3 categorias mais comuns:

cardiologista

  • Clínica médica popular: oferece serviços médicos voltados para o público que não possui um plano de saúde particular. Geralmente, esse tipo de clínica apresenta um crescimento muito rápido do número de pacientes;
  • Consultório com até duas especialidades médicas: são clínicas e consultórios com até dois profissionais da saúde de especialidades diferentes trabalhando como sócios. É muito comum entre fisioterapeutas e acupunturistas, entre outros;
  • Clínica geral com procedimentos médicos simples:voltada para os estabelecimentos que priorizam realizar procedimentos médicos, com disponibilidade de materiais, insumos e medicamentos, além de profissionais especializados para fornecer o atendimento mais adequado.

Lembrando que é muito importante saber exatamente a categoria que seu consultório se encaixa, até para quando for declarar o imposto de renda.

E atenção, pesquise essa classificação não apenas no âmbito da ANS, mas também no tributário, justamente, para conseguir fazer um melhor planejamento dos próximos impostos que serão cobrados.

4. Regularize o consultório

Se certifique, antes de efetivamente abrir seu consultório, de que está atendendo todas as exigências legais e sanitaristas, ou seja, de que possui todos os documentos exigidos por órgãos como a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Dentre outros documentos pedidos está uma cópia do seu contrato social, comprovante do recolhimento de taxa, relação dos procedimentos técnicos que serão executados, entre outros.

Além de obter todos os documentos necessários, você também precisa estar atento a todas as exigências do CFM (Conselho Federal de Medicina) e do Corpo de Bombeiros.

Mas, para obter um funcionamento legal e seguro, será preciso buscar uma série de autorizações, advindas, por exemplo, do corpo de bombeiros, da Vigilância Sanitária e de outros órgãos da prefeitura (pode variar de cidade para cidade), assim como, do registro do consultório enquanto pessoa jurídica (CNPJ).

A dica é contar com um contador de confiança para cuidar das questões burocráticas e fiscais, principalmente, alguém que tenha familiaridade com a área de saúde.

Confira abaixo as principais exigências para legalizar o seu consultório:

  • Cadastro Estadual de Vigilância Sanitária:contém os dados de um estabelecimento ligado à saúde, sendo preciso que um dos profissionais, ao menos, conste como responsável técnico do consultório;
  • Cadastro no CNES: um registro obrigatório que todos os estabelecimentos que oferecem serviços relacionados à área da saúde devem possuir.
  • Licença de Funcionamento:obtida pelo órgão de saúde competente (a nível municipal), permitindo o funcionamento de estabelecimentos que desenvolvam atividades de acordo com a legislação sanitária vigente.  Assim que der entrada ao pedido, é preciso apresentar um laudo técnico de avaliação do imóvel.

Importante: o licenciamento deve ser renovado anualmente.

5. Faça um levantamento de custos

Acredite, erros banais e que poderiam ser evitados, são responsáveis por muitos fechamentos de negócios. E é preciso encarar, SIM, o seu consultório ou clínica como um negócio, o que exige uma boa gestão e uma administração responsável, atitudes que, infelizmente, faltam em muitos profissionais da saúde.

Mas, o problema é que, como já mencionamos nesse artigo, geralmente, os médicos não são preparados para serem profissionais empreendedores.

Por isso, é preciso dar muita atenção à essas questões burocráticas, de gestão e administração, e se essa não for, definitivamente a sua praia, então, considere contratar um profissional para realizar esses serviços.

Vale considerar, também, a possibilidade de ter um software de gestão, que pode ser de grande ajuda para quem não tem condições de arcar com as despesas de um funcionário só para realizar a gestão e administração do seu consultório.

  • Parte burocrática

Quanto aos custos, propriamente dito, primeiramente, é preciso procurar saber exatamente quanto será o custo de abertura do consultório, assim como, o investimento que deverá ser feito para garantir seu funcionamento até que as consultas tragam um lucro, ou seja, com funcionários e a rotina do seu negócio.

Também será preciso estabelecer quantas consultas pretende fazer por dia, levando em conta dois pontos importantes: tempo e dinheiro. Faça o cálculo de quanto tempo pretende trabalhar diariamente e qual tempo pensa em oferecer como duração média de uma consulta.

Não esqueça que a espera dos pacientes é uma das principais queixas e um dos motivos de não retornarem. Por isso, é importante investir em uma boa administração.

É importante ter em mente que leva um certo tempo para o consultório conseguir se manter sozinho e ainda trazer um bom retorno, por isso, é preciso se certificar de que você realmente pode fazer esse tipo de investimento agora.

  • Equipe

Nos custos, você terá que incluir uma recepcionista, a qual irá lhe ajudar a organizar o dia a dia da clínica, agendar e registrar as consultas.

Também deverá incluir enfermeiros (caso precise), funcionários de limpeza, entre outros.

Ou seja, na hora de fazer o planejamento de custos, não esqueça de colocar esses profissionais na lista.

E, claro, será preciso saber sobre direitos trabalhistas, evitando problemas legais e garantindo um ambiente harmonioso entre toda a equipe.

  • Estrutura

estrutura cardio

Na hora de pensar na estrutura de seu consultório, é preciso analisar os exames que pretende oferecer, pelo menos, os mais comuns dentro da cardologia.

Assim, fica mais fácil identificar aqueles que pode disponibilizar no seu consultório, claro, aumentando as chances de atrair mais pacientes.

Dentre os mais comuns estão o eletrocardiograma, o ecocardiograma e a coronariografia.

Caso ache puxado oferecer todos eles, considere, a princípio oferecer só  eletrocardiograma e terceirizar os demais serviços, já que, apesar de básico, ele pode ser um dos mais viáveis de você disponibilizar em seu consultório.

Pronto, agora é analisar as possibilidades, aqueles que poderá disponibilizar no consultório, de preferência, que ajudariam a destacá-lo da concorrência.

  • Materiais

materiais cardio

Na lista de custos não podem ficar de fora os materiais que serão necessários para oferecer um bom atendimento aos seus pacientes.

A dica é procurar fornecedores confiáveis, que ofereçam equipamentos de qualidade, para poder garantir aos pacientes o melhor diagnóstico possível.

E, claro, os materiais para escritório deverão constar na lista, desde sofá ou cadeiras confortáveis, balcão ou mesa da recepção, computadores, sua mesa e cadeira.

  • Decoração e programação visual

Sabe aquela máxima “a primeira impressão é a que fica”? Então, a decoração é a primeiro contato visual que seus pacientes terão com seu consultório, ou clínica, por isso, não deixe de investir em uma boa decoração.

A dica é investir em uma boa programação visual, para que tudo siga uma mesma linha, ajudando a consolidar sua marca.

Nesse sentido, vale considerar sua logo e seu público-alvo na hora de decorar seu consultório, certamente, levando em conta o conforto do mobiliário.

  • Divulgação

E mais, ao planejar sua gestão, lembre-se de ter uma reserva financeira para suportar os custos fixos na fase inicial, na qual existe menos retorno, não esquecendo de separar uma parte do dinheiro para investir na divulgação, já que para atrair mais pacientes terá que investir em marketing (como veremos abaixo).

6. Invista em Marketing

marketing médico: cardiologia

Atualmente quando falamos em divulgação, estamos falando em Marketing. Ele vai se encarregar de trabalhar sua presença digital, fundamental nos dias de hoje.

Hoje em dia, quem procura por algum serviço ou produto, primeiramente, busca no Google, por isso, é fundamental colocar seu consultório numa vitrine virtual, ou seja, na internet.

Também é muito importante trabalhar na identidade visual do seu consultório, para que ele seja facilmente identificado, para isso, é preciso se valer de elementos como logos, cores, decoração, para que tudo esteja em harmonia.

Por exemplo, o logo do seu consultório, ou clínica, irá lhe representar, no receituário-, cartões de agendamento, uniforme de funcionários, materiais personalizados, sites e redes sociais e etc.

E, claro, é impossível hoje falar em Marketing sem associá-lo às redes sociais, já que elas vêm se mostrando cada vez mais importantes no processo de atração de novos pacientes.

Ou seja, um bom trabalho de marketing irá saber levar seu negócio para as principais redes, como Facebook ou Instagram, enfim, na que seu público-alvo estará. E saberá trabalhar o conteúdo, atualizando-a e criando postagens que irão aproximar você (seu consultório) de seus pacientes.

Porém, vale prestar muita atenção nessa hora, pois é preciso  se atentar às limites do marketing médico segundo as exigências do CFM.  Ou seja, mesmo estando em dia com as normas e leis, é preciso usar as redes sociais com muita cautela.

A dica, portanto, é entregar essa parte nas mãos de pessoas capacitadas para fazer esse trabalho, existindo muitas opções, para todos os bolsos e necessidades, atualmente, no mercado.

 

Enfim, essas são nossas dicas de como montar um consultório de Cardiologia, esperamos que aproveite e tenha muito sucesso!

FICOU ALGUMA DÚVIDA SOBRE PROSPECÇÃO DE PACIENTES? AGENDE UM BATE-PAPO SEM COMPROMISSO.

× Chat WhatsApp